Introdução ao 20º Livro bíblico: Provérbios

Proferidos por: Salomão, Agur, Lemuel
Lugar da Escrita: Jerusalém
Escrita Completada: cerca de 717 a.C.

Quando Salomão, filho de Davi, se tornou rei de Israel orou a Deus, pedindo-lhe “sabedoria e conhecimento” para “julgar este grande povo”. Em resposta, Deus lhe deu ‘conhecimento e sabedoria, e um coração entendido’. (2 Crô. 1:10-12; 1 Reis 3:12; 4:30, 31) Em resultado disso, Salomão chegou a “falar três mil provérbios”. (1 Reis 4:32) Parte dessas palavras de sabedoria foi assentada por escrito no livro bíblico de Provérbios. Visto que a sua sabedoria era realmente a que “Deus lhe pusera no coração”, então, ao estudarmos Provérbios, estamos estudando, com efeito, a sabedoria do Sehor Deus. (1 Reis 10:23, 24) Esses provérbios englobam verdades eternas. Têm o mesmo valor hoje como quando foram proferidos pela primeira vez.

 O reinado de Salomão era uma época propícia para Deus guiar seu povo. Dizia-se que Salomão ‘se sentava no trono de Deus’. O reino teocrático de Israel estava no seu apogeu, e Salomão foi favorecido com superabundante “dignidade real”. (1 Crô. 29:23, 25) Era época de paz, fartura e segurança. (1 Reis 4:20-25) Entretanto, mesmo sob aquele domínio teocrático, o povo tinha seus problemas e suas dificuldades pessoais em virtude das imperfeições humanas. É compreensível que o povo se voltasse para o sábio Rei Salomão em busca de ajuda para solucionar seus problemas. (1 Reis 3:16-28) Ao pronunciar julgamento nesses numerosos casos, ele proferiu ditos proverbiais que se adequavam a muitas circunstâncias da vida do dia-a-dia. Esses ditos breves, mas cheios de significado, foram muito prezados por aqueles que desejavam harmonizar seu modo de vida com a vontade de Deus.

 O livro não diz que Salomão escreveu os Provérbios. Todavia, diz que ele ‘falou’ provérbios, também que “fez uma investigação cabal, a fim de pôr em ordem muitos provérbios”, revelando assim que tinha interesse em preservar esses provérbios para uso futuro. (1 Reis 4:32; Ecl. 12:9) Na época de Davi e de Salomão, o nome dos secretários oficiais figurava na lista dos oficiais da corte. (2 Sam. 20:25; 2 Reis 12:10) Não sabemos se esses escribas da sua corte escreveram e compilaram os provérbios de Salomão, mas as expressões de um rei tão importante seriam altamente consideradas e normalmente seriam assentadas por escrito. Admite-se em geral que o livro seja uma coleção compilada de outras coleções.

O livro de Provérbios pode ser dividido em cinco partes. Estas são: 
(1) Capítulos 1-9, iniciando com as palavras: “Os provérbios de Salomão, filho de Davi”; 
(2) Capítulos 10-24, descritos como “Provérbios de Salomão”; 
(3) Capítulos 25-29, esta parte começa com as seguintes palavras: “Também estes são provérbios de Salomão transcritos pelos homens de Ezequias, rei de Judá”; 
(4) Capítulo 30, inicia assim: “Palavras de Agur, filho de Jaque” e 
(5) Capítulo 31, que abrange “Palavras do rei Lemuel, a profecia que lhe ensinou sua mãe”. Salomão foi, pois, o originador da maior parte dos provérbios. Quanto a Agur e Lemuel, não há nenhuma informação precisa sobre a identidade deles. Alguns comentaristas sugerem que Lemuel talvez tenha sido outro nome de Salomão.

 Quando se escreveu e compilou o livro de Provérbios? A maior parte foi assentada por escrito, sem dúvida, durante o reinado de Salomão, antes de seu desvio. Em virtude da incerteza sobre a identidade de Agur e de Lemuel, não é possível determinar a data da matéria deles. Visto que uma das coleções foi feita durante o reinado de Ezequias (cerca de 700 a.C.), a coleção final não poderia ter sido feita antes de seu reinado. 

 Nas Bíblias hebraicas, esse livro era chamado originalmente pela primeira palavra do livro, mish·léh, que significa “provérbios”. Mish·léh é o plural, em construto, do substantivo hebraico ma·shál, substantivo este que, segundo se crê, deriva duma raiz que significa “ser parecido” ou “ser comparável”. Estes termos descrevem bem o conteúdo do livro, pois provérbios são ditos sucintos que com freqüência empregam semelhança ou comparação destinada a fazer o ouvinte refletir. A forma breve dos provérbios faz com que seja fácil seguir a linha de pensamento e entendê-los, e os torna interessantes, sendo desta forma facilmente ensinados, aprendidos e lembrados. A idéia fica gravada na memória.

É também muito interessante examinar o estilo de expressão do livro. É escrito em estilo poético hebraico. A estrutura da maior parte do livro é em paralelismo poético. Não se expressa com rima no fim dos versos, ou com som igual. Consiste em versos rítmicos com repetição de idéias ou de pensamentos paralelos. A beleza e a força didática residem no ritmo de pensamento. Esses pensamentos podem ser sinônimos ou antíteses, e há neles a força do paralelismo que estende o pensamento, amplia a idéia e assegura que seja transmitido o significado do pensamento. Encontramos exemplos de paralelismo sinônimo em Provérbios 11:25; 16:18; e 18:15, e de paralelismo mais abundante de antítese em Provérbios 10:7, 30; 12:25; 13:25; e 15:8. No fim do livro, aparece outro tipo de estrutura. (Pro. 31:10-31) Os 22 versículos ali estão dispostos de forma tal que, em hebraico, cada um começa com a letra sucessiva do alfabeto hebraico, sendo este o estilo acróstico, também usado em diversos salmos. Quanto à beleza, este estilo é sem igual nos escritos antigos.

A autenticidade de Provérbios é também provada pelo amplo uso que os cristãos primitivos fizeram desse livro para estabelecer as regras de conduta. Parece que Tiago estava bem familiarizado com Provérbios, e empregou os princípios básicos encontrados nesse livro para dar bons conselhos sobre a conduta cristã. (Compare Provérbios 14:29; 17:27 com Tiago 1:19, 20; Provérbios 3:34 com Tiago 4:6; Provérbios 27:1 com Tiago 4:13, 14.) Citações diretas de Provérbios acham-se também nas seguintes passagens: Romanos 12:20—Provérbios 25:21, 22; Hebreus 12:5, 6—Provérbios 3:11, 12; 2 Pedro 2:22—Provérbios 26:11.
 Além disso, o livro de Provérbios revela estar em harmonia com o restante da Bíblia, provando assim que faz parte de “toda a Escritura”. Quando o comparamos com a Lei de Moisés, com o ensinamento de Jesus e com os escritos de seus discípulos e apóstolos, observamos uma notável união de pensamento. (Veja Provérbios 10:16—1 Coríntios 15:58 e Gálatas 6:8, 9; Provérbios 12:25—Mateus 6:25; Provérbios 20:20—Êxodo 20:12 e Mateus 15:4.) Mesmo quando se trata de pontos tais como a preparação da terra para ser a habitação do homem, há harmonia de pensamento com outros escritores da Bíblia. — Pro. 3:19, 20; Gên. 1:6, 7; Jó 38:4-11; Sal. 104:5-9.

 A exatidão científica, quer se trate de provérbios que envolvam princípios da química, da medicina, quer da saúde, atesta também a inspiração divina do livro. Aparentemente, Provérbios 25:20 fala das reações ácido-alcalinas. Provérbios 31:4, 5 concorda com as últimas descobertas científicas de que o álcool inibe o raciocínio. Muitos médicos e nutricionistas concordam que o mel é alimento sadio, o que faz lembrar o provérbio: “Filho meu, come mel, pois é bom.” (Pro. 24:13) As modernas observações psicossomáticas não são novidade para Provérbios. “O coração alegre faz bem como o que cura.” — 17:22; 15:17.
 Deveras, o livro de Provérbios abrange de modo tão completo as necessidades do homem, bem como todas as situações em que se pode encontrar, que certa autoridade declarou: “Não há nenhuma relação na vida que não tenha a sua instrução apropriada, não há tendência boa ou má sem o seu devido incentivo ou correção. A percepção humana é em toda a parte levada em relação imediata com a Divina, . . . e o homem caminha como na presença do seu Criador e Juiz . . . Todo o tipo de humanos se encontra neste livro antigo; e, embora esboçado há três mil anos, ainda é tão fiel à natureza como se tivesse sido tirado agora do seu representante vivo.” — Dictionary of the Bible, de Smith, 1890, Vol. III, página 2616.

CONTEÚDO DE PROVÉRBIOS

Primeira Parte (1:1–9:18). É um poema contínuo, composto de curtos discursos, como de um pai para seu filho, que recomenda a necessidade de sabedoria para guiar o coração, a pessoa inteira no seu íntimo, e para orientar seus desejos. Ensina o valor da sabedoria e as bênçãos decorrentes dela: a felicidade, o prazer, a paz e a vida. (1:33; 3:13-18; 8:32-35) Contrasta isto com a falta de sabedoria e suas conseqüências: o sofrimento e por fim a morte. (1:28-32; 7:24-27; 8:36) Considerando a infinidade de situações e possibilidades que se apresentam na vida, fornece um estudo fundamental da conduta humana e de suas conseqüências no presente e no futuro. As palavras contidas em Provérbios 1:7 constituem o tema do livro inteiro: “O temor de Deus é o princípio do conhecimento.” Em todas as ações é preciso levar em consideração a Deus. Há constante repetição da necessidade de não esquecermos as leis de Deus, de nos conservarmos achegados aos mandamentos dele e de não os abandonarmos.
 Os fios destacados que tecem esta primeira parte são a sabedoria prática, o conhecimento, o temor de Deus, a disciplina e o discernimento. Há advertências contra a má companhia, contra rejeitar a disciplina de Deus e contra as relações ilícitas com mulheres estranhas. (1:10-19; 3:11, 12; 5:3-14; 7:1-27) Duas vezes, a sabedoria é descrita como estando em lugares públicos, podendo ser assim obtida e estando disponível. (1:20, 21; 8:1-11) Ela é personificada, fala solicitamente aos inexperientes e até dá esclarecimentos sobre a criação da terra. (1:22-33; 8:4-36) Que livro notável é! Esta parte termina com o tema inicial, que “o temor de Deus é o início da sabedoria”. (9:10) Do começo ao fim, argumenta que o reconhecimento de Deus em todos os nossos caminhos, junto com nossa aderência à sua justiça, é o caminho da vida e pode resguardar-nos de tantas coisas indesejáveis.

Segunda Parte (10:1–24:34). Encontramos aqui uma variedade de máximas seletas, independentes, que aplicam sabedoria aos problemas complexos da vida. Ensinando-nos as aplicações corretas, tem por objetivo promover maior felicidade e vida agradável. As antíteses nos paralelismos fazem com que esses ensinamentos se destaquem em nossa mente. Eis aqui uma lista parcial dos assuntos que são considerados só nos capítulos 10, 11 e 12:

o amor em oposição ao ódio.
a sabedoria em oposição à tolice.
a honestidade em oposição à fraudulência.
a fidelidade em oposição à falsidade.
a verdade em oposição à mentira.
a generosidade em oposição à avareza.
a diligência em oposição à indolência.
a integridade em oposição aos caminhos pervertidos.
os bons conselhos em oposição à falta de orientação.
a esposa capaz em oposição à esposa desavergonhada.
a justiça em oposição à iniqüidade.
a modéstia em oposição à presunção.
Se considerarmos esta lista em relação com a vida do dia-a-dia, nós nos daremos conta da utilidade prática de Provérbios.
 
O restante desta parte (13:1–24:34) faz lembrar as normas de Deus, a fim de agirmos com perspicácia e discernimento. Uma enumeração da grande variedade de situações que os humanos têm de enfrentar mostra o amplo alcance dos assuntos tratados nesse livro. São de máximo proveito os conselhos bíblicos sobre: fingimento, presunção, manter a palavra, argúcia, associações, disciplina e educação dos filhos, o conceito do homem sobre o que é reto, a necessidade de ser vagaroso em irar-se, mostrar favor aos atribulados, fraude, oração, zombaria, contentar-se com o necessário para a vida, orgulho, lucro injusto, suborno, contendas, autodomínio, isolar-se, calar-se, parcialidade, altercações, humildade, luxo, assistência a pai e mãe, bebidas inebriantes, trapaça, qualidades de uma esposa, dar presentes, tomar empréstimo, emprestar, bondade, confiança, termos de propriedades, edificar a família, inveja, revide, vaidade, resposta branda, meditação e verdadeiro companheirismo. Que tesouro de conselhos a recorrer para orientação sadia sobre assuntos do dia-a-dia! Para alguns, diversos desses itens podem parecer sem importância, mas notamos aqui que a Bíblia não negligencia as nossas necessidades mesmo nas coisas aparentemente pequenas. Nisto, o livro de Provérbios é de valor inestimável.

Terceira Parte (25:1–29:27). Recebemos conselhos edificantes sobre assuntos tais como honra, paciência, inimigos, como lidar com os estúpidos, como divertir-se, lisonja, ciúme, ferimentos causados por um amigo, fome, calúnia, cumprir responsabilidades, juros, confissão, conseqüências do domínio dum governo mau, arrogância, bênçãos decorrentes dum governo justo, delinqüência juvenil, relacionamento com servos, perspicácia e visão.

Quarta Parte (30:1-33). Trata-se da “mensagem ponderosa” atribuída a Agur. Depois de humilde reconhecimento de sua própria pequenez, o escritor faz alusão à incapacidade do homem de criar a terra e as coisas que há nela. Diz que a Palavra de Deus é refinada e é um escudo. Pede que seja afastada dele a palavra mentirosa e que não lhe sejam dadas nem riquezas nem pobreza. Descreve em seguida uma impura, orgulhosa e gananciosa geração que amaldiçoa os próprios pais. Quatro coisas que não disseram “Basta!” são identificadas, bem como quatro coisas que são maravilhosas demais para compreender. (30:15, 16) Fala-se da atitude impudente da mulher adúltera que afirma não ter pecado. Daí, há quatro coisas que a terra não pode suportar, quatro coisas pequenas, mas instintivamente sábias, e quatro coisas que sobressaem na sua locomoção. Mediante comparações aptas, o escritor adverte que “premer a ira é o que produz a altercação”. — 30:33.

 Quinta Parte (31:1-31). Eis outra “mensagem ponderosa” de Lemuel, o rei. É composta em dois estilos diferentes de escrita. A primeira parte anuncia a ruína à qual se pode chegar por meio de uma mulher má, adverte como a bebida inebriante pode perverter o julgamento e exorta que se faça julgamento justo. Na parte final, o acróstico faz uma descrição clássica da esposa capaz. Descreve em pormenores as qualidades dela, falando que ela é de grande valor e inspira confiança, e é uma recompensa para seu dono. As qualidades dela incluem que é trabalhadeira, levanta-se cedo, compra com discernimento, é bondosa para com os pobres, é precavida, fala com sabedoria. Também, ela é atenta, seus filhos a respeitam e seu marido a louva. Acima de tudo, ela teme a Deus.

TIRANDO PROVEITO PARA NOSSOS DIAS

 O propósito benéfico de Provérbios está declarado nos primeiros versículos: “Para se conhecer sabedoria e disciplina, para se discernirem as declarações de entendimento, para se receber a disciplina que dá perspicácia, justiça e juízo, e retidão, para se dar argúcia aos inexperientes, conhecimento e raciocínio ao moço.” (1:2-4) Em harmonia com tal propósito declarado, o livro salienta o conhecimento, a sabedoria e a compreensão, cada uma dessas qualidades sendo proveitosa do seu próprio modo.

 (1) O conhecimento é a maior necessidade do homem, pois não lhe é salutar ficar na ignorância. É impossível adquirir conhecimento exato sem o temor de Deus, pois tal temor é o início do conhecimento. O conhecimento é preferível ao ouro fino. Por quê? Porque, mediante o conhecimento, os justos são libertados; ele nos refreia de cair no pecado. Quão necessário é buscá-lo, assimilá-lo! É precioso. Portanto: “Inclina teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, para que fixes teu próprio coração no meu conhecimento.” — 22:17; 1:7; 8:10; 11:9; 18:15; 19:2; 20:15.

 (2) A sabedoria, quer dizer, a habilidade de usar corretamente o conhecimento para o louvor do Senhor Deus, “é a coisa principal”. Adquira-a. A Fonte dela é Deus. A sabedoria vivificadora tem seu início no conhecimento e no temor do Senhor Deus — esse é o grande segredo da sabedoria. Portanto, tema a Deus, não ao homem. A sabedoria personificada faz uma proclamação, instando com todos para que endireitem os seus caminhos. A sabedoria grita em voz alta nas próprias ruas. Deus chama a todos os inexperientes e os faltos de coração para que se voltem e se alimentem do pão da sabedoria. Serão então felizes com o temor de Deus, mesmo que possuam pouco. Muitas são as bênçãos da sabedoria; grandemente proveitosos são os seus efeitos. A sabedoria e o conhecimento — os elementos fundamentais preliminares para se adquirir reflexão, que é uma salvaguarda. Como o mel é benéfico e agradável ao paladar, assim é a sabedoria. É mais preciosa do que o ouro; é árvore de vida. Os que não possuem sabedoria perecem, pois a sabedoria preserva a vida; ela significa vida. — 4:7; 1:7, 20-23; 2:6, 7, 10, 11; 3:13-18, 21-26; 8:1-36; 9:1-6, 10; 10:8; 13:14; 15:16, 24; 16:16, 20-24; 24:13, 14.

 (3) Além do conhecimento e da sabedoria, é de suma importância adquirir a compreensão; por conseguinte, “com tudo o que adquirires, adquire compreensão”. A compreensão é a habilidade de ver uma coisa nos seus elementos e na sua relação; isto significa discernimento, tendo-se sempre em mente a Deus, pois o homem não pode estribar-se na sua própria compreensão. É absolutamente impossível alguém ter compreensão ou discernimento, se as suas obras estiverem em oposição a Deus! Precisamos buscar diligentemente a compreensão como um tesouro escondido, a fim de a possuirmos. Para adquirirmos compreensão, precisamos ter conhecimento. Quem se empenha em adquirir conhecimento é recompensado, e a sabedoria se acha diante dele. Pode evitar as inumeráveis armadilhas do mundo, tais como das incontáveis pessoas más que poderiam procurar enlaçá-lo a andar com elas no caminho das trevas. Sejam dadas graças ao Senhor Deus — a Fonte do vitalizador conhecimento, sabedoria e compreensão! — 4:7; 2:3, 4; 3:5; 15:14; 17:24; 19:8; 21:30.

 (4) Conforme o objetivo benéfico de Provérbios, o livro apresenta uma abundância de sábios conselhos inspirados, que nos ajudam a adquirir a compreensão, e resguardam nosso coração, “pois dele procedem as fontes da vida”. (4:23) Segue-se uma seleção de conselhos sábios, acentuados do começo ao fim do livro.

 Contraste entre os iníquos e os justos: Os iníquos serão apanhados nos seus caminhos pervertidos, e seus tesouros não os salvarão no dia do furor. Os justos se colocam no caminho da vida e serão recompensados por Deus. — 2:21, 22; 10:6, 7, 9, 24, 25, 27-32; 11:3-7, 18-21, 23, 30, 31; 12:2, 3, 7, 28; 13:6, 9; 14:2, 11; 15:3, 8, 29; 29:16.

 A necessidade de retidão moral: Salomão avisa constantemente contra a imoralidade. Os adúlteros receberão uma praga, bem como desonra, e o seu vitupério não será apagado. “Águas furtadas” podem parecer doces para um jovem, mas a prostituta desce à morte e arrasta consigo suas vítimas inexperientes. Os que caem no profundo abismo da imoralidade são condenados por Deus. — 2:16-19; 5:1-23; 6:20-35; 7:4-27; 9:13-18; 22:14; 23:27,28.

 A necessidade de autodomínio: A bebedice e a glutonaria são condenadas. Todos os que desejam ter a aprovação de Deus precisam praticar moderação no comer e no beber. (20:1; 21:17; 23:21, 29-35; 25:16; 31:4, 

(5) Os que são vagarosos em se irar são abundantes em discernimento e maiores do que um homem poderoso que captura uma cidade. (14:17, 29; 15:1, 18; 16:32; 19:11; 25:15, 28; 29:11, 22) O autodomínio é necessário também para se evitar a inveja e o ciúme, sendo este podridão para os ossos. — 14:30; 24:1; 27:4; 28:22.

 O uso sábio e o uso insensato da língua: A fala pervertida, o caluniador, a testemunha falsa e o falsificador serão descobertos, pois são detestáveis a Deus. (4:24; 6:16-19; 11:13; 12:17, 22; 14:5, 25; 17:4; 19:5, 9; 20:17; 24:28; 25:18) Se a boca de alguém fala coisas boas, é fonte de vida; mas a boca do insensato o precipita à ruína. “Morte e vida estão no poder da língua, e quem a ama comerá os seus frutos.” (18:21) A calúnia, a fraude, a lisonja e as palavras irrefletidas são condenadas. Falar a verdade e honrar a Deus é o caminho da sabedoria. — 10:11, 13, 14; 12:13, 14, 18, 19; 13:3; 14:3; 16:27-30; 17:27, 28; 18:6-8, 20; 26:28; 29:20; 31:26.

 A tolice do orgulho e a necessidade de humildade: O orgulhoso se eleva a uma posição que realmente não deve, de modo que sofre uma queda desastrosa. Deus detesta os que são de coração altivo, mas dá aos humildes sabedoria, glória, riquezas e vida. — 3:7; 11:2; 12:9; 13:10; 15:33; 16:5, 18, 19; 18:12; 21:4; 22:4; 26:12; 28:25, 26; 29:23.

 Diligência, não indolência: Muitas são as descrições do preguiçoso. Ele devia ir ter com a formiga para aprender uma lição e se tornar sábio. Quanto ao diligente — este prosperará! — 1:32; 6:6-11; 10:4, 5, 26; 12:24; 13:4; 15:19; 18:9; 19:15, 24; 20:4, 13; 21:25, 26; 22:13; 24:30-34; 26:13-16; 31:24, 25.

 A boa associação: É loucura associar-se com os que não temem a Deus, com os iníquos ou estúpidos, com pessoas irascíveis, com mexeriqueiros ou com glutões. Antes, busque a companhia de pessoas sábias, e adquirirá mais sabedoria. — 1:10-19; 4:14-19; 13:20; 14:7; 20:19; 22:24, 25; 28:7.

 A necessidade de repreensão e de correção: “Deus repreende aquele a quem ama”, e os que aceitam essa disciplina estão no caminho da glória e da vida. Quem odeia a repreensão chegará à desonra. — 3:11, 12; 10:17; 12:1; 13:18; 15:5, 31-33; 17:10; 19:25; 29:1.

 Como ser boa esposa: Repetidas vezes os Provérbios avisam contra a esposa ser contenciosa e agir vergonhosamente. A esposa discreta, capaz e que teme a Deus tem na língua a lei da benevolência; quem encontra tal esposa obtém a boa vontade da parte de Deus. — 12:4; 18:22; 19:13, 14; 21:9, 19; 27:15, 16; 31:10-31.

 Como criar os filhos: Devem-se-lhes ensinar os mandamentos de Deus regularmente para que ‘não os esqueçam’. Devem ser criados desde a infância na instrução de Deus. Não se poupe a vara quando necessária; como expressão de amor, a vara e a repreensão dão sabedoria ao menino. Os pais que criam seus filhos no caminho de Deus terão filhos sábios que lhes trarão regozijo e muito prazer. — 4:1-9; 13:24; 17:21; 22:6, 15; 23:13, 14, 22, 24, 25; 29:15, 17.
 A obrigação de ajudar os outros: Com freqüência, salienta-se isto em Provérbios. O sábio deve difundir conhecimento para o proveito dos outros. A pessoa precisa também ser generosa em mostrar favor aos de poucos meios, e, assim fazendo, está realmente emprestando a Deus que garante retribuir. — 11:24-26; 15:7; 19:17; 24:11, 12; 28:27.

 Confiança em Deus: O livro de Provérbios chega ao âmago de nossos problemas ao aconselhar-nos a depositar plena confiança em Deus. Devemos levar em conta a Deus em todos os nossos caminhos. O homem pode fazer planos, mas é Deus que deve dirigir seus passos. O nome de Deus é torre forte, para a qual o justo corre e encontra proteção. Espere em Deus e deixe-se guiar pela sua Palavra. — 3:1, 5, 6; 16:1-9; 18:10; 20:22; 28:25, 26; 30:5, 6.

 Quão proveitoso é o livro de Provérbios para ensinar e disciplinar tanto a nós como a outros! Parece que nenhum aspecto das relações humanas ficou despercebido. Há alguém que se isola dos co-adoradores de Deus? (18:1) É alguém em posição de responsabilidade que tira conclusões antes de ouvir ambos os lados da questão? (18:17) É brincalhão perigoso? (26:18, 19) Mostra-se parcial? (28:21) O comerciante na sua loja, o lavrador no campo, o marido, a esposa e o filho — todos recebem instrução salutar. Os pais são ajudados de modo a poderem expor os muitos laços ocultos na vereda dos jovens. Os sábios podem ensinar os inexperientes. Os provérbios são práticos onde quer que vivamos; a instrução e o conselho do livro nunca ficam antiquados. “O livro de Provérbios”, disse certa vez o educador norte-americano William Lyon Phelps, “é mais atual do que o jornal desta manhã”. O livro de Provérbios é atual, prático e proveitoso para ensino, porque é inspirado por Deus.
 Sendo proveitoso para endireitar as coisas, o livro de Provérbios, composto em grande parte de provérbios proferidos por Salomão, conduz os homens ao Todo-poderoso Deus. Assim fez também Jesus Cristo, mencionado em Mateus 12:42 como sendo “algo maior do que Salomão”.

 Quão gratos podemos ser de que Este preeminentemente sábio é a escolha de Deus para ser a Semente do Reino! Seu trono “será firmemente estabelecido pela própria justiça”, será um reinado pacífico muito mais glorioso do que o do Rei Salomão. Dir-se-á a respeito da dominação desse Reino: “Benevolência e veracidade — elas salvaguardam o rei; e ele amparou seu trono pela benevolência.” Isso abrirá diante da humanidade uma eternidade de governo justo, a respeito do qual Provérbios também diz: “Quando o rei julga em veracidade os de condição humilde, seu trono ficará firmemente estabelecido para todo o sempre.” Assim, reconhecemos com prazer que os Provérbios iluminam a nossa vereda, dando-nos conhecimento, sabedoria e compreensão, bem como a vida eterna; mais importante, porém, magnificam a Deus como a Fonte da verdadeira sabedoria, que ele dá por intermédio de Cristo Jesus, o Herdeiro do Reino. O livro de Provérbios aumenta o nosso apreço pelo Reino de Deus e pelos justos princípios segundo os quais governa agora. — Pro. 25:5; 16:12; 20:28; 29:14.

Retorna do livro de Provérbios